MotoGP – O que podemos esperar da Honda neste ano?

O 2019 foi um ano de altos e baixos para a Honda: Por um lado, Marc Márquez encerrou o campeonato a quatro corridas do fim, venceu doze corridas e terminou em segundo em seis outras, a Honda conquistou a coroa dos fabricantes e a equipe Honda Repsol conquistou o título de equipes. No papel, parecia uma limpeza total para a HRC.

 

Por outro lado, o próximo piloto da Honda no campeonato foi Cal Crutchlow, em nono lugar, quase 300 pontos atrás de Márquez. Márquez marcou todos os 66 pontos, com exceção de 6, que conquistaram o campeonato de fabricantes à Honda.

 

E o atual campeão conquistou quase sozinho o título de equipes da Honda Repsol em Valencia, depois de uma série de lesões que impediram o seu companheiro de equipe Jorge Lorenzo de sequer pontuar a maior parte da temporada.

Em 2019, a Honda tinha uma moto capaz de vencer, mas apenas se tivesse Marc Márquez a bordo. Essa posição de risco é óbvia pelo fato de o seis vezes campeão de MotoGP sair de uma grande cirurgia no ombro pelo segundo inverno consecutivo. Márquez parece escapar extremamente bem quando cai e analisando as suas quedas em 2018, ficou claro que ele estava correndo riscos calculados a baixa velocidade, muito raramente caindo em alta velocidade – mas há sempre o risco de algo mais sério acontecer. Sem Marc Márquez, a Honda estaria com problemas reais o ano passado.

 

Portanto, para 2020, a HRC precisa de adicionar alguma facilidade de uso à sua Honda RC213V. A moto é rápida o suficiente para andar com as Ducati, só precisa ser um pouco mais amigável para com os pilotos.

 

Em Valencia e Jerez, Márquez e Cal Crutchlow experimentaram protótipos de um novo motor e de dois novos chassis. Embora os dois pilotos fossem prudentes nas suas declarações sobre exatamente o que as mudanças tinham trazido, sentiram que o motor e o chassis eram um passo na direção certa.

 

O motor era uma fração menos brutal, e os quadros que eles testaram deram um pouco mais de confiança na frenagem na entrada de curvas.

 

Márquez tinha reclamado ao longo de 2019 que precisava de usar imenso ângulo de inclinação para fazer a moto virar, arriscando quedas constantemente.

 

A moto de 2020 parece ser um pouco mais flexível nas suas opções de configuração.

 

“A moto de 2019 tinha de funcionar numa janela muito pequena de afinações, para dar uma volta rápida em pista”, disse Cal Crutchlow em Valencia. “Acho que para 2020 podemos jogar muito mais com o ajuste da moto, o que pode facilitar um pouco a pilotagem, mas não é o grande passo de que precisamos”.

 

A Honda precisa de dar esse passo, ou pelo menos parte dele, antes do início da temporada de 2020, caso não queira confiar apenas no talento de Marc Márquez para manter o título.

 

Eles estão mais vulneráveis ??do que há algum tempo: com a retirada de Jorge Lorenzo, o irmão de Marc, Alex, entrou na equipe de fábrica mas a RC213V não é uma moto fácil para um novato, portanto, pouco se pode esperar de Alex até que ele tenha alguma experiência.

 

A dinâmica de ter dois irmãos na mesma equipe será fascinante de seguir, especialmente dois irmãos de experiência tão ímpar.

 

Marc Márquez entra na sua oitava temporada na principal classe, acabando de garantir o sexto título de MotoGP, e é o claro favorito para o seguir com um sétimo, dominando a série como Valentino Rossi fez na primeira década do século 21, e Mick Doohan fez na década anterior.

 

Ele é um talento geracional e está no auge das suas habilidades. Por outro lado, Alex Márquez é um rookie, com experiência muito limitada no MotoGP . Como seu irmão, ele tem títulos nas duas classes menores.

 

Ao contrário do seu irmão, ele levou mais tempo até finalmente conquistar uma coroa de Moto2 , e subiu para a categoria rainha aos 23 anos de idade, depois de cinco anos na classe intermédia.

 

O exemplo de Maverick Viñales, Alex Rins, Joan Mir e Fabio Quartararo diz que é melhor subir rapidamente, em vez de passar anos na Moto2 . E, é claro, é mais fácil de se adaptar ao MotoGP numa Yamaha ou Suzuki, que exige menos pilotagem, ou uma mudança drástica no estilo de pilotagem.

 

No entanto, o jovem Márquez mostrou sinais reais de promessa. Alex terminou o teste de Valencia quase 2,4 segundos atrás de Maverick Viñales, o mais rápido no teste. Uma semana depois, em Jerez, já tinha diminuído o intervalo para 1,4 segundos, desta vez atrás do irmão Marc.

 

Ele foi facilmente o mais rápido dos três rookies, e ficou apenas 0,6 atrás de Cal Crutchlow. Emular o seu irmão e conquistar o título de MotoGP na sua primeira tentativa é extremamente improvável – em grande parte porque ele precisaria de derrotar Marc Márquez para fazer isso – mas Alex Márquez parece ter uma temporada de estreia sólida garantida.

 

O ano de 2020 pode vir a ser o último ano de Cal Crutchlow no MotoGP , pois o popular inglês pensa seriamente em se aposentar no final desta temporada. O piloto da Honda LCR alcançou os objetivos que estabeleceu quando chegou ao MotoGP e, com a filha Willow se aproximando rapidamente da idade escolar, se afastar para passar mais tempo com a família é uma opção cada vez mais atraente.

 

Como todos os pilotos, no entanto, Crutchlow ainda tem uma ambição ardente. Ele ainda quer competir, e ainda acredita que pode vencer, corridas pelo menos, se não campeonatos. Ele teve três pódios em 2019, e isso com uma RC213V muito sensível à travagem motor, que tendia a derrapar de frente à entrada da curva, como vimos quando Lorenzo torpedeou toda a frente do pelotão no arranque na Catalunha.

Se a moto de 2020 for mais fácil de andar, como sugeriu Crutchlow durante o teste de Valencia, ele poderá ter uma temporada ainda mais forte este ano e isso poderia fazê-lo mudar de ideias. Já Takaaki Nakagami enfrenta um desafio mais difícil do que o seu companheiro de equipe da Honda LCR. Apesar de ter a hipótese de andar em 2020, o piloto japonês vai continuar na Honda RC213V do ano passado.

 

Saindo de uma cirurgia no ombro, não será fácil lidar com a exigente moto de 2019. Pelo menos Nakagami teve mais tempo para se recuperar, tendo pulado as três últimas corridas de 2019 para fazer uma cirurgia antes do final da temporada.

 

A 2020 será um ano importante para Nakagami. Ele tem a sorte de ter o apoio da Idemitsu e a Honda quer ter um piloto japonês no MotoGP por razões óbvias. Mas com todos os contratos a expirar no final deste ano, ninguém está seguro. E há uma onda de jovens pilotos japoneses talentosos a caminho, a Asia Talent Cup provando ser um terreno fértil de novo talento.

 

Nakagami mostrou-se promissor em 2019, mas estava na moto de 2018, mais amigável para os pilotos. Ele terá que lutar com a moto de 2019 até chegar aos dez melhores, se quiser mostrar que merece um futuro a longo prazo no MotoGP.

 

Onde pode a Honda destacar-se na temporada de MotoGP de 2020? Com Marc Márquez sob contrato, eles são os favoritos mais uma vez para levar o campeonato de pilotos. Mas com a Yamaha, Suzuki e Ducati muito mais fortes nos testes, os títulos de equipa e fabricante serão muito mais difíceis de defender.

 

Marc Márquez teve um ano dominante em 2019, mas algumas coisas encaixaram-se para torná-lo mais fácil do que era à partida. A HRC tem muito trabalho a fazer para garantir a continuidade dos seus títulos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *