Histórias da Fórmula 1 – Vamos falar de Bruno Giacomelli, um piloto promissor mas que não teve sorte e sucesso.

Bem amigos da Veloxtv, sempre de tempos em tempos lembramos e falamos de diversos pilotos que fizeram parte do grid da Fórmula 1 e nesta semana falaremos de um filho de um fazendeiro de Brescia – Itália; estamos nos referindo á Bruno Giacomelli.

 

A História do piloto:

Bruno nasceu numa pequena vilória, filho de um fazendeiro sem muitas posses. Por isso, só com 20 anos estreou nas corridas, no seu caso na Fórmula Ford, com um Tecno. Logo depois de seguir com essa experiência, entrou para o serviço militar e só aos 23 anos voltou às pistas. Os bons resultados então conseguidos na Fórmula Itália.

 

Criado em uma humilde família Brescia, Bruno Giacomelli começou a correr em 1972 e ganhou o título nacional de Fórmula Italia três anos depois. Ele se juntou à March Engineering para a temporada britânica de Fórmula 3 em 1976 e chegou à Inglaterra sem falar uma palavra do idioma, mas logo ficou impressionado. Shellsport Campeão Britânico F3 naquele ano, ele venceu no Mônaco e só perdeu o título da BP quando o rival Rupert Keegan bateu nele na rodada final.

 

Campeão de Fórmula 2 e estréia no Grand Prix

Três vitórias em sua primeira temporada de Fórmula 2 com março alertaram a hierarquia da McLaren e Giacomelli dirigiu seu terceiro carro no Grande Prêmio da Itália de 1977 e em cinco corridas da Fórmula 1 em 1978. Seu M26 terminou em sétimo na Brands Hatch em 1978, após inadvertidamente ter ajudado Carlos Reutemann a passar Niki Lauda para o chumbo ao ser lapidado. Sua temporada F2 de 1978, totalmente dominante, quebrou todos os recordes durante os quais oito vitórias renderam o Campeonato Europeu de março e a BMW.

 

Fórmula 1 com a Alfa Romeo

Na F1, contudo, o nome de Giacomelli está para sempre ligado à Alfa Romeo, desafio que aceita a partir de 1979 e até 1982/ vejam como foi?

 

Sem mais oportunidades na McLaren, ele se juntou à nova equipe da Alfa Romeo para desenvolver seu carro em 1979. Equipe e motorista entraram em uma temporada completa em 1980, quando se juntaram a Patrick Depailler, que estava se recuperando de ferimentos sofridos em um acidente de asa delta.

 

A temporada começou bem para Giacomelli, com quinto na Argentina, mas ele foi forçado a se aposentar com muita freqüência. Quando Depailler foi morto em Hockenheim, Giacomelli elevou a moral com mais pontos na corrida seguinte. Ele terminou a temporada com seu melhor desempenho na F1, se classificando na pole position e liderando de forma impressionante em Watkins Glen, mas ele se aposentou.

 

Ele permaneceu com a Alfa Romeo pelas próximas duas temporadas e terceiro lugar em Las Vegas em 1981 e terceiro na grid em Mônaco 1982 mostrou ritmo, mas havia muitos dias de folga. Ele se mudou para a equipe Toleman-Hart em 1983 e terminou em sexto lugar no GP da Europa em Brands Hatch, apesar de parecer ser o seu ápice da F1.

 

Carreira subseqüente

Em vez disso, Giacomelli fez sua estréia no Champ Car no 1984 Long Beach GP com um Theodore-Cosworth antes de dirigir o STP March 85C-Cosworth de Pat Patrick em 1985. Quinto no Meadowlands e terceiro no grid para a última corrida da temporada em Miami. suas melhores atuações e Giacomelli não retornou à série.

 

Ele então correu em carros esportivos – muitas vezes em um Porsche Kremer Brothers ‘- antes de fazer um reaparecimento surpreendente no paddock de F1 para o 1990 San Marino GP. Isso foi como piloto do Life F190 sem esperança, mas ele nunca conseguiu passar da pré-qualificação em 12 tentativas, muitas vezes incapaz de persuadir a máquina não confiável a sair do pitlane.

 

Galeria de Imagens:

Tom Sneva, #2 Eagle 85GC / Cosworth, Beatrice Indy Challenge, Tamiami Park, Miami, FL, November 9, 1985. (Photo by Brian Cleary/www.bcpix.com)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *