Coluna da Sétima Arte – A insuperável sensibilidade de Clint Eastwood.

A versão cinematográfica do musical vencedor do Tony Award ganha toda a espetacular visão do diretor

 

Texto: Eduardo Abbas

Fotos: Warner Bros.

 

Não é de hoje, nem de pouco tempo que o ex-cowboy trocou os filmes cheios de tiros por películas mais suaves, com grandes fundos musicais e interpretações convincentes ao extremo. Quem acompanhou Clint Eastwood no começo da carreira, poderia imaginar que, quando se aposentasse das telas, viveria de fazer shows em algum parque temático. Nada disso!

 

Dotado de um enorme bom gosto, se aventurou pelo lado de trás das câmeras, procurando mostrar a então sufocada sensibilidade que nunca era revelada nos incontáveis bang bangs que atuou, a maior parte deles na Itália, quase sempre dirigido pelo rei do spaghetti western, Sergio Leone. E foi justamente com esse gênero que arrebatou seu primeiro Oscar® de diretor com Os Imperdoáveis, que é considerado por muitos como o western definitivo.

 

Mas foi com BIRD, de 1988, que ele realmente surpreendeu. Talvez tentando reviver esse clássico, muito elogiado e pouco premiado, que ele agora se volta de novo para o gênero musical. Estréia nessa quinta-feira nos cinemas do Brasil Jersey Boys: Em Busca da Música (GK Films, Malpaso Productions, Warner Bros. Pictures), versão do musical teatral do mesmo nome. É a história de quatro jovens que moram no subúrbio de Nova Jersey e se unem para formar o icônico grupo de rock dos anos 60 The Four Seasons.

 

No longa, recheado de música, interpretação e uma direção de arte impecável, é contada a história do grupo e traz sucessos que influenciaram uma geração, incluindo “Sherry”, “Big Girls Don’t Cry”, “Walk Like a Man”, entre outras. John Lloyd Young, ator de teatro, que reprisa seu papel dos palcos na tela e que foi vencedor do Tony Award, vivendo o papel do vocalista do The Four Seasons, Frankie Valli, é digamos, um Frankie mais bem acabado.

 

Sua interpretação é segura, claro, pois esta há 8 anos vivendo o personagem no teatro. No elenco ainda tem Erich Bergen (que vive o autor e pianista Bob Gaudio), Michael Lomenda (vivendo o baixista Nick Massi) e Vincent Piazza (que fez alguns seriados para TV, no papel de Tommy DeVito).

 

O grande destaque é para Christopher Walken (é impossível pensar em O Caçador sem ele) na pele do mafioso Gyp DeCarlo, engraçado e sempre correto, fazendo o ponto de equilíbrio dos jovens atores.

 

A direção segura de Eastwood dá uma dinâmica diferente ao filme, suas interrupções explicativas, sem perder o ritmo do mundo girando ao redor, são realizadas com grande destreza, os atores são excelentes e transformam as aspas em pontos de exclamação. O filme tem uma fotografia linda, feita por Tom Stern (indicado ao Oscar® por A Troca) e reflete toda a magia que o designer de produção James J. Murakami imaginou. A edição é impecável, feita pelo craque Joel Cox (que ganhou o Oscar® por Os Imperdoáveis), muito superior a edição de áudio nas dublagens durante os números musicais. É um grande pecado, mas em alguns momentos as vozes “escorregam” na sincronia com os movimentos labiais, é quase imperceptível e em nada compromete o produto final, e sendo práticos, numa obra dessa proporção, esse tipo de bug passa completamente despercebido.

 

BR-Pub One Sheet Poster - JRSY clint e atores JERSEY BOYS JERSEY BOYS JERSEY BOYS JERSEY BOYS JERSEY BOYS John Lloyd Young JERSEY BOYS JERSEY BOYS

Jersey Boys: Em Busca da Música é um desses filmes biográficos que trazem à tona todo o sofrimento e as amarguras que os seres humanos passam na sua viagem pela vida. O importante nesses casos é se entender que, apesar do sucesso, dinheiro, fama e tudo mais que se conquista, tudo pode ruir em apenas um momento, naquele movimento único que transforma nossas vidas, afinal somos falíveis e às vezes uma decisão considerada certa pode ser a mais errada possível.

 

Em se tratando de Clint Eastwood, um jovem de 84 anos em plena forma física e mental, é um filme de 134 minutos imperdíveis e recomendáveis a todos os gostos e idades, traz na assinatura final a sempre indefectível mensagem das suas obras: OK, eu sou o mocinho, mas a que preço?

 

A gente se encontra na semana que vêm!

 

Beijos & queijos

 

e-mail: coluna.site@gmail.com

Follow me on twitter: @borrachatv

www.borrachatv.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *