Avaliação da Semana – Andamos com o Chevrolet Tracker Midnight com estilo e elegância.

Caros amigos da Veloxtv nesta semana andamos com o elegante “Chevrolet Tracker Midnight” e não poderia ser diferente, com muito estilo e impacto perante ao público alvo.

A Chevrolet quis dar ao seu SUV compacto um visual mais chamativo e condizente com o espírito do carro.

Mas diante da briga acirrada entre os SUVs compactos, que vai esquentar ainda mais com a chegada do VW T-Cross , em abril, o que o Chevrolet Tracker Midnight oferece não chega a abalar o apelo dos rivais. Faltam novidades mais significativas ao modelo da GM, cuja nova geração já está em fase de testes e deverá ser lançada até o final de 2019.

Diferente das versões LT e Premier, de visual mais conservador, o Chevrolet Tracker Midnight bebe da mesma fonte da picape S10 Midnight e abandona os adereços cromados. Além da carroceria pintada no tom ouro negro metálico, o preto brilhante está nas rodas de 18” (com desenho exclusivo), nas maçanetas externas e até na gravata da Chevrolet. Parece pouco, mas foi o suficiente para o modelo (já bastante conhecido) chamar atenção no trânsito como se fosse uma novidade.

Baseado no pacote inicial de equipamentos da versão Premier, o Tracker Midnight deve alguns itens: não traz alerta de colisão frontal, assistente de manutenção em faixa nem os airbags laterais e de cortina (itens presentes na versão Premier, mais cara). Porém, mesmo sem esses itens, a lista de série é bem atraente e inclui controles eletrônicos de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, monitor de pontos cegos, monitor de tráfego cruzado na traseira, teto solar elétrico, luzes diurnas de LED, bancos de couro e chave presencial.

Sem mudanças mecânicas em relação ao restante da linha, o Tracker de visual escurecido segue tendo como principal qualidade o motor 1.4 turbo de 153 cv (com etanol). Com o mesmo motor empregado no sedã Cruze e combinado a um câmbio automático de seis marchas, o SUV compacto empolga nas arrancadas e mais ainda nas retomadas de velocidade em estradas. É uma pena que as trocas de marchas manuais possam ser feitas apenas por um incômodo botão na alavanca. Já a suspensão tem um acerto bem equilibrado, mas que agrada mais no asfalto. Em pisos irregulares, incomodam as batidas secas no final do curso dos amortecedores.

O câmbio automático de seis marchas tem um ajuste mais voltado para economia de combustível, mostrando que a questão do desempenho não foi encarada como prioridade. Se quiser assumir as trocas de marcha acionando o modo sequencial terá que usar o incômodo botão na própria alavanca.

Bem equipado

O Tracker vem bem equipado. Entre outros itens, o carro vem com rodas de aro 18 pintadas de preto brilhante, sistema multilink que funciona em conjunto com o OnStar. E além do ESP, há também além de sensores que detectam fluxo cruzado, ou seja, veículos passando pela traseira, o que é útil ao sair de marcha à ré em estacionamentos, por exemplo.

Contudo, falta espaço ao Tracker, que tem apenas 306 litros no porta-malas que só não é menor que os 260 litros do Jeep Renegade, mas perde dos 356 do Ford EcoSport.Apesar do esforço da GM em ter um acabamento caprichado é inevitável a sensação de déjà vu, uma  vez que os comandos do console central, bem como volante, saídas de ar e laterais das portas são os mesmos itens do projeto original, de seis anos atrás. De qualquer forma, o o conjunto cumpre seu papel, garantindo certa dose de conforto, mesmo com as rodas de aro 18 montadas em pneus 215/55R. 

Nossa Avaliação

A versão Minight dom Chevrolet Tracker é uma opção para quem quer um SUV com um conjunto mecânico moderno e eficiente, mas, principalmente, com um visual descolado, diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *