Moto 1000 GP: pilotos da DRT-Ducati buscam recuperação no GP Campo Grande.

O Moto 1000 GP vai atingir a metade da temporada de 2015 no próximo dia 26, com a realização do GP Campo Grande. A quarta das oito etapas será um dos referenciais para apontamento dos pilotos que vão disputar os títulos das seis categorias que compõem o Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. Três delas são de interesse direto dos pilotos que utilizam motocicletas Ducati Panigale 1199 – os paulistas Diego Pretel e Ricardo Levy.

Os dois defendem a equipe Ducati-DRT. Pretel abriu a temporada como líder da classe Evo na categoria GP 1000, depois de vencer o GP Petrobras em Curitiba. O abandono na corrida seguinte, em Cascavel, o fez cair para o terceiro lugar na pontuação. No GP Michelin, em Goiânia, ele foi o segundo e recuperou-se, alcançando a vice-liderança. Na classificação geral da GP 1000, série principal do Moto 1000 GP, ele aparece em 11º lugar.

Levy iniciou a temporada no pódio em Curitiba, com o terceiro lugar na etapa da GP Light, repetindo seu melhor resultado na competição, confirmado em 2014 na etapa de Interlagos. Em Cascavel, conquistou a pole position e era vice-líder da corrida quando sofreu uma queda e teve de abandonar. Na etapa goiana, foi sexto colocado na corrida, mesma posição que ocupa na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade.

“Nós sabíamos que não seria um ano fácil. Além do nível estar muito forte em todas as categorias, o nosso vilão tem sido a adaptação aos pneus da Michelin. Temos uma desvantagem nesse ponto em relação às outras equipes, que estão no Campeonato Brasileiro há mais tempo”, diz Pretel, lembrando que a Ducati-DRT chegou em 2015 ao Moto 1000 GP. “Ainda estamos aprendendo a acertar a moto para aproveitar o rendimento dos Michelin Power Slick”.

Outro fator adversário desta fase inicial da temporada de 2015 foram as contusões sofridas pelos pilotos da Ducati-DRT. “Nós dois tivemos problemas físicos. Eu tive o acidente na etapa de Cascavel, o Diego teve um acidente em uma prova de supermoto no Brasil Cup”, conta Levy. “Já estamos recuperados e, agora, vamos correr atrás do prejuízo. O campeonato está chegando à metade, este é o momento perfeito para reagirmos de vez na luta pelos títulos”.

A próxima etapa, no dia 26 de julho, será disputada em Campo Grande. As motocicletas do Brasileiro de Motovelocidade utilizam a gasolina Petrobras Podium e o lubrificante Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da Michelin, que fornece pneus a todas as equipes. O Moto 1000 GP também conta com o apoio de Beta Ferramentas, MSR Macacões Personalizados, Puig, Servitec, LeoVince, Shoei e Tutto Moto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *