Fórmula 1 – Qatar recebe corrida a 21 de novembro e assina acordo por dez anos.

Esta confirmada mais uma estreia na categoria. O Qatar irá receber pela primeira vez um GP de F1, e assinou um acordo válido por dez anos.

 

Com o cancelamento do GP da Austrália, ficou uma vaga livre, que foi agora finalmente ocupada pelo Qatar, com o Circuito de Losail sendo o palco para a primeira visita da categoria. O país do Médio Oriente também assinou um contrato de 10 anos com a F1 para continuar a receber provas a partir de 2023, depois de acolher o Campeonato Mundial da FIFA no próximo ano, não se sabendo ainda onde serão realizadas as provas de 2023 em diante.

“Estamos muito satisfeitos por acolher o Qatar no calendário da Fórmula 1 nesta temporada e a longo prazo a partir de 2023”, disse o CEO e presidente Stefano Domenicali da F1. “A Federação para os Motores e Motociclismo do Qatar e as autoridades locais têm sido incríveis e trabalharam a grande velocidade para garantir que a corrida possa ter lugar nesta temporada no Circuito do Losail. Mostramos que podemos continuar a nos adaptar e há um enorme interesse no automobilismo. O enorme esforço de todas as equipes, F1 e FIA tornou possível um calendário de 22 corridas, algo que é muito impressionante durante um ano desafiante e de que todos nos podemos orgulhar”.

Losail é conhecida por receber provas do MotoGP, Superbikes e já recebeu também provas do WTCC. A corrida será feita ao anoitecer, tornando-se a terceira corrida a ser realizada sob as luzes este ano, juntamente com o Bahrein e o novo Grande Prêmio da Arábia Saudita a 5 de Dezembro.

 

O Losail já tinha uma Licença de Grau 1 da FIA, o que significava que era uma opção viável receber um Grande Prêmio este ano a curto prazo no meio da pandemia de Covid-19. A FIA completará uma inspeção, mas isso é o mesmo para o percurso dos circuitos que se juntam ao calendário de F1, e as alterações necessárias são provavelmente mínimas.

 

A reta principal tem um comprimento de pouco mais de um quilômetro e fornecerá a localização da única zona DRS do circuito. Isto significa que a Curva 1 será a melhor oportunidade de ultrapassar. Os pneus serão provavelmente um ponto de discussão, uma vez que a elevada percentagem de tempo que os carros vão passar em curva significa que as equipas poderão experimentar uma degradação dos pneus superior à média. Há uma sequência de curvas de alta velocidade (Curvas de 12 a 14) que é semelhante à Curva 8 na Turquia, mas na direção oposta e será particularmente desafiante nos pneus. A pista não muda de asfalto desde 2004, pelo que o desgaste expôs o agregado. Isto deverá significar boa aderência e grandes níveis de abrasividade no que diz respeito ao desgaste dos pneus. Veremos os carros alcançarem uma velocidade média de 237km/h na qualificação e 220km/h no dia da corrida. Em termos de tempo de volta previsto, as simulações sugerem 1m 22,5s para a qualificação e 1m 28,6s para a corrida, que durará 57 voltas.

 

Fica assim fechado o calendário para o que resta desta época com ainda sete provas a realizar:

  • GP Turquia (Istambul) – 10 de Outubro
  • GP dos Estados Unidos (Austin) – 24 de Outubro
  • GP México (Cidade do México) – 7 de Novembro
  • GP de São Paulo (Interlagos) – 14 de Novembro
  • GP do Qatar (Losail) – 21 de Novembro
  • GP da Arábia Saudita (Jeddah) – 5 de Dezembro
  • GP Abu Dhabi (Yas Marina) – 12 de Dezembro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *