Fórmula 1 – Os lugares que faltam para a temporada 2019.

O mercado está na sua recta final e aquela que tem sido a mais movimentada das “silly seasons”  chega ao momento crucial para alguns pilotos. As equipes querem resolver o futuro o quanto antes para se focar nas últimas batalhas do ano e na próxima temporada, tal como os pilotos.

 

Mercedes (Hamilton/Bottas), Red Bull (Verstappen/Gasly), Renault (Hulkenberg/Ricciardo) e McLaren (Sainz/Norris) são as únicas que já anunciaram oficialmente as duplas para o próximo ano e tudo o resto é um emaranhado de pontos de interrogação.

 

A Ferrari ainda não confirmou o colega de equipe de Sebastian Vettel. Alguns rumores apontam que Leclerc estava prestes a ser anunciado mas o trabalho de Kimi Raikkonen em Monza poderá ter mudado o cenário. Na verdade, Kimi tem estado muito bem. Começou de forma discreta, mas tem subido de forma consistente e pelas corridas, tem justificado a renovação. Mas do outro lado está um dos pilotos que mais tem dado que falar, um jovem cheio de potencial e o futuro da Scuderia.

 

A Haas nada tem definido ainda, Se Kevin Magnussen não renovar será uma grande surpresa e será do interesse de ambas as partes manter a parceria. Romain Grosjean está mais perto do nível que se espera dele, mas a sua prestação no início do ano poderá ter dado uma machadada nas suas aspirações, até porque se Charles Leclerc não for para a Ferrari, poderá ser indicado para o lugar do francês.

 

Na Force India não está nada definido, mas tudo o que não seja uma dupla Lance Stroll/ Sergio Pérez será uma grande surpresa. Lance Stroll vai para onde o pai mandar e  o mais certo é vermos  Stroll de cor-de -rosa em 2019 (se não for antes). Pérez é um excelente piloto, experiente, e com dinheiro. E com a possível vaga da McLaren sendo entregue a Lando Norris, o  mexicano não deverá mudar de equipe.

 

Na Toro Rosso, Pierre Gasly vai para a Red Bull por isso há uma vaga e Brendon Hartley continua longe de convencer. Por isso não é descabido que surjam duas vagas para esta equipe (tendo em conta o talento que precisa de um “porto de abrigo”).

 

Na Sauber, Leclerc parece estar de saída, o que pode ser dar uma vaga e Marcus Ericsson tem dinheiro e ligações com os donos, pelo que deverá manter-se.

 

Na Williams, Stroll é história e Sergey Sirotkin tem feito um trabalho decente e tem dinheiro, pelo que há uma vaga à vista, de preferência para quem tenha dinheiro.

 

De fora estão ainda nomes sonantes que fariam as delicias de qualquer equipe. Stoffel Vandoorne teve duas  temporadas miseráveis na McLaren, mas é bom piloto e poderá interessar. Esteban Ocon é um talento que merece ficar na F1, mas que neste momento não tem lugar e dado o vinculo à Mercedes a Williams poderia ser uma  opção mas a equipe talvez dê primazia a quem tenha bolsos mais fundos. George Russell é outra pérola da Mercedes que tem de dar o salto para a F1 o mais brevemente possível, mas dada a ligação à Mercedes não se vislumbram opções para ele. Fala-se até na Mercedes cortar os laços com os pilotos para que possam ser opções para outras equipes como a Toro Rosso, por exemplo. Por falar em Toro Rosso, Daniil Kvyat tem sido insistentemente ligado a um retorno à equipe de Faenza, tal como António Giovinazzi pode estar de volta à F1, agora a tempo inteiro.

 

A Mercedes está com um problema nas mãos. Tem dois excelentes pilotos sem lugar para 2019 e seria criminoso não estarem no grid da próxima temporada. Mas os lugares não abundam e a sua colocação está a ser muito complicada. Assim, para já temos Ocon, Russell, Vandoorne, à procura de uma solução, Giovinazzi e Kvyat à espreita (supostamente), Grosjean na corda bamba. Falta ainda entender se Kimi sai ou fica, tal como Hartley, o que poderia abrir preservativas mais interessantes. Há ainda muito por resolver e a dança das cadeiras será intensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *