Fórmula 1 – O dia mais triste da categoria e seu luto em todo 1º de maio.

É com muito pesar que o mundo da Fórmula 1 para todo ano, no dia 1º de Maio, para celebrar e lembrar de um dos maiores ídolos da categoria, “Ayrton Senna da Silva”, lembrado até hoje não só por nós brasileiros mas em todos os países aonde existiam e existem apaixonados pela Fórmula 1.

O Grande Prêmio de San Marino

O Grande Prêmio de San Marino era o terceiro daquele ano de 1994. Depois das duas provas anteriores, em que tinha ficado “sem marcar pontos”, Ayrton Senna queria conquistar a sua primeira vitória da temporada e com o Williams/Renault, considerado até então o melhor monoposto da F1. Nos treinos, garantiu mais uma “pole position” – a 65ª. Na corrida, depois das cinco voltas atrás do “safety car”, em consequência do embate do Lotus de Pedro Lamy contra a traseira do Benetton de JJ Lehto ( que fazia o seu retorno à F1 após um violento acidente nos testes de pré-temporada), Senna reagiu melhor na partida lançada, procurando aumentar de imediato uma distância segura para Michael Schumacher, o vencedor das duas provas anteriores e, nitidamente, o seu rival principal nesse ano.

Durante a volta seguinte, “magic-Senna” se afastou ligeiramente do alemão. Então, na entrada para a Curva Tamburello, uma esquerda feita com pé no fundo, a velocidades chegando aos 320 km/h, tudo aconteceu. Num ápice, sem margem para pensamentos ou raciocínios: eram 14h12m (horário de San Marino) e 10h12 no Brasil. Nesse momento, o coração da F1 parou.

Quatro horas de angústia
O impacto no muro, colocado no final de uma estreita escapatória de areia, de menos de dez metros, foi violentíssimo. De tal forma que a monocoque do Williams não conseguiu resistir ao impacto. Quando parou na área de escape, os comissários foram rápidos a chegar ao local… e também rápidos em recuar, quando olharam o estado do piloto.

A imagem ainda hoje está na nossa memória. Mas foi apenas uma curta hesitação. Logo de seguida, rodearam o monoposto destruído, já com ordens para não mexer em Ayrton. Os médicos, capitaneados pelo professor Syd Watkins, demoraram apenas 90 segundos para chegar ao local. Verificaram de imediato que o estado do piloto era gravíssimo; afinal, um braço da suspensão tinha se soltado e entrado pela viseira, causando fortes lesões cerebrais, com perda de massa encefálica. Além disso, Senna sofreu fratura do baixo-crâneo, várias lesões internas e fraturas no braço e ombro direitos. Na verdade, eram lesões impossíveis de recuperar.

A primeira operação que os médicos fizeram, no local, foi uma traqueotomia, para minorar a insuficiência respiratória do piloto. Contudo, todos os sinais indicavam que Senna estaria muito perto da morte, embora existissem sinais cardíacos. Foram necessários 25 longos minutos até transportarem de helicóptero o piloto para o hospital mais próximo. 
No caso, o Hospital Maggiore de Bolonha, onde tudo foi feito para o recuperar para a vida. Durante quatro horas, longos minutos de expectativa e esperança. Em vão: pelas 18h40m, uma médica, Maria Tereza Fiandri, comunicou oficialmente o seu falecimento. No exterior, a multidão que aguardava notícias fez silêncio; as mãos elevaram-se ao céu. Aqui no Brasil, onde em muitas igrejas se rezavam orações especiais, todo um País começou a chorar. O seu grande Campeão tinha deixado o mundo dos vivos e entrado, diretamente, na galeria dos heróis.

As causas do acidente
Na altura, os testemunhos concluíram uma realidade: só uma causa mecânica poderia ter provocado o acidente. “Nessa curva, tal como naquela onde saiu Ratzenberger, não existem erros de pilotagem.” As palavras são de Gerhard Berger, ele próprio também protagonista de um acidente terrível no mesmo local, mas em 1989 e de onde teve a sorte de sair vivo. E a verdade é que, quanto ao acidente de Ratzenberger, depressa se concluíu ter-se devido à quebra da asa esquerda do aerólio dianteiro, que teria ficado afetado depois do piloto ter feito uma incursão pela grama, na volta anterior. Quanto ao acidente de Senna, foi mais difícil verificar o que o causou e, ainda hoje, isso provoca alguma celeuma.

“Senna nem sequer virou o volante. Não houve tempo para reagir, o que pode significar a inexistência de direção.” Gary Anderson, na altura projetista da Jordan, opinou desta forma junto ao enviado do site “AutoSport” às provas de F1. E adiantou mais: “Como os sistemas atuais nesse capítulo não dão qualquer tipo de problema, só vejo uma explicação possível: os batentes inferiores da suspensão posterior cederam, fazendo o carro levantar a frente.”

Afinal, pode não ter sido nada disso. Pode ter sido a passagem sobre destroços deixados pelos carros de Lamy ou Lehto, provocando um eventual furo lento. Ou, ainda, uma baixa da pressão dos pneus, causada pelas cinco voltas lentas atrás do “safety car” – que poderiam também ter levado os mesmos pneus para uma temperatura inferior ao aconselhável. Houve, também, quem defendesse que o que terá provocado a saída fatal foi a quebra da coluna de direção, que teria sido manipulada pela Williams, a pedido expresso pelo próprio Senna, desejoso de uma posição perfeita de pilotagem. Porém, nunca se conseguiu provar, nem sequer em tribunal, esta suspeita. Dez anos depois, permaneceu o mistério e todas as teorias são possíveis. Uma única certeza, contudo: ele, que fez da perfeição o “leit motiv” da sua vida, acabou vítima dessa mesma incessante procura da perfeição.

Palavras de seu maior rival
“Nunca saberemos muito bem o que dizer nestas ocasiões. A F1 perdeu um dos seus grandes pilotos, todo o automobilismo ficou mais pobre.”
(Alain Prost)

“É nas zonas em que o piloto tem mais confiança que os acidentes acontecem mais facilmente. Não estamos forçando o nosso subconsciente, como acontece nas alturas em que sabemos que podem surgir problemas e, por isso mesmo, vamos com outro tipo de defesas. Não foi difícil partir depois do acidente de Senna. É difícil explicar as razões, mas um piloto por vezes precisa desse empurrão para poder passar por cima da desilusão.

Senna, tal como o Ratzenberger, era um amigo e nessas ocasiões o melhor é esquecer, o que acontece com mais facilidade quando se está 100% (100 por cento) concentrado guiando um Fórmula 1.”


O amigo e ex-companheiro de Mclaren Gerhard Berger, foi o único piloto a deslocar-se ao hospital de Bolonha, para se inteirar do estado de Senna).

“É uma grande perda! Não tenho palavras para descrever o que sinto… Penso que se tratou de um problema de afinação no carro de Senna. Pelo contrário, o Benetton estava muito bem afinado e, de certeza, que isso não aconteceria comigo.”(Michael Schumacher)

“Chorei ao ver o acidente depois da corrida ter sido interrompida. Ele era um fantástico companheiro, um piloto genial. Só entrei no carro para correr de novo (penso que Senna teria feito o mesmo) porque tinha 100 por cento de confiança na equipe e no material à minha disposição.”
(Damon Hill, colega de equipe de Senna em 1994)

“É preciso dizer uma coisa: a F1 é um esporte perigoso e devemos colocar a questão de sabermos se tudo isto tem um sentido. Se me perguntarem a resposta, ela é não. Ainda mais quando dois pilotos morrem num fim-de-semana. Senna era o melhor piloto que eu conheci. Sabia tudo.”
(Niki Lauda)

“O Ayrton era um dos pilotos mais envolvidos na F1. Em cada ano, ficava melhor. Ainda não tínhamos visto tudo dele. Quanto à segurança, penso que os responsáveis se deixaram dormir sobre os louros conquistados.”
(Jackie Stewart)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *