Fórmula 1 – Equipe Williams registra prejuízo de R$190 milhões somente com a equipe na F1.

A Williams reportou uma perda de quase R$ 190 milhões só com a equipe da F1. Só que o mau resultado financeiro não assusta o time, que crê em melhor performance em 2015, por conta de um desempenho mais sólido nas pistas.

A Williams informou, por meio de nota, que a equipe da F1 sofreu uma perda de £ 42,5 milhões (ou aproximadamente R$ 190 milhões) no ano passado, sendo que o grupo todo teve um prejuízo de £ 34,3 milhões (quase R$ 155 mi).

Embora a esquadra inglesa tenha disputado sua melhor temporada em anos em 2014, completando o Mundial de Construtores na terceira colocação, o aumento nos custos da F1 e os resultados ruins do campeonato de 2013 tiveram influência decisiva no desempenho financeiro do time.

As receitas caíram de £130,4 milhões (R$ 545 mi) para £ 90,2 mi (R$ 400 milhões), mas com o significativo aporte em termos de patrocínio no ano passado, além do dinheiro recebido pelo acordo com a F1 com relação aos direitos comerciais e melhores resultados alcançados na pista, a Williams se disse otimista para o futuro e acredita que terá um ano bem mais lucrativo em 2015.

Com previsto, 2014 acabou sendo um ano de transição e os resultados financeiros foram reflexos disso. Além de tudo, foi uma temporada de custos elevados no esporte. A perda foi impulsionada por menores receitas e os altos custos com a operação da F1. Mais da metade da redução da receita veio do pagamento único de patrocínio em 2014, que teve de ser reconhecido nas demonstrações financeiras de 2013. E isso foi resultado de um valor menor também nas cotas dos direitos comerciais e da nona colocação no Mundial. A culpa pelos gastos mais elevados é atribuída ainda à introdução do novo motor híbrido na F1″, afirmou Mike O’Driscoll, chefe-executivo da Williams, no comunicado.

Apesar do cenário, O’Driscoll declarou que o investimento feito na esquadra da F1 é válido e vai render lucros a longo prazo. “A decisão de investir na equipe é mais do que válida, especialmente depois que o time terminou o ano de 2014 na terceira posição, após ter ficado apenas em nono no ano anterior”, disse o executivo.

“Na metade de 2013 partimos para uma estratégia de reestruturação ambiciosa para revigorar a equipe da F1, criar um negócio forte e rentável no campo da Engenharia Avançada, além de aliar outras atividades”, explicou. “Em 2014, fizemos progressos dentro desses objetivos, com um investimento significativo nas pessoas, nas instalações e na tecnologia, pois acreditamos que tudo isso vai fornecer uma base sólida para o futuro”, completou o inglês.

No ano passado, a Williams se mostrou inflexível quanto à importância de se investir pesadamente na operação da F1 como forma de melhorar a performance nas pistas, mesmo que isso resultasse em perdas financeiras para a temporada seguinte. Enquanto o time da F1 perdeu dinheiro em 2014, o negócio com a Engenharia Avançada e as atividades quanto às tecnologias híbridas tiveram lucro.

“O nosso desempenho muito melhor em 2014 será demonstrado pela elevação dos direitos comerciais e das cotas de patrocínio em 2015, juntamente com a melhoria da performance da nossa divisão da Engenharia Avançada. A nossa ambição para 2015 é a consolidação do progresso que fizemos no ano passado, além de continuar a construir as bases necessárias para um futuro de sucesso tanto do ponto de vista comercial quanto do esporte, aumentando substancialmente os nossos resultados financeiros nos próximos anos”, encerrou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *