F1 – Ao grande Gilles

A vida é feita de coincidências que nem sempre são fáceis de explicar e  maio é para o automobilismo um mês em que vimos partir grandes talentos. Um dos grandes nomes que também  nos deixou cedo demais é o de Gilles Villeneuve, um homem que misturou raça, talento e vontade de andar no máximo, em doses nem sempre favoráveis para vencer, mas o suficiente para conquistar os fãs da F1.

 

James Hunt abriu-lhe as portas da McLaren, onde fez três corridas, com resultados pouco condizentes com o seu talento, mas o suficiente para se começar a mostrar ao Grande Circo, de tal forma que Enzo Ferrari o escolheu para o lugar de  Niki Lauda, mesmo depois de um teste em Fiorano onde teve um desempenho longe do brilhantismo de que era capaz. Demorou para mostrar o seu real valor e bem cedo as críticas pediam para que saísse da equipe, mas Enzo Ferrari ignorou-as  e começou a ver o talento de Villeneuve  despontar. Em 79 esteve perto do título e assinou em co-autoria com René Arnoux uma das lutas mais belas e ferozes da F1.

 

No início dos anos 80 a Ferrari estava numa fase negativa, mas Villeneuve continuou mostrando que era um predestinado e apenas graças ao seu enorme talento conseguiu extrair dos carros mais do que era esperado… ou possível.   82 parecia ser um ano de mudança com um carro melhor mas o destino trocou as voltas e um acidente na classificação e lhe roubou a vida,

 

As 6 vitórias, 2 poles e 13 pódios que tem em seu nome dizem pouco de um piloto colocou acima de tudo a vontade de andar rápido. Uma atitude lutadora  e destemida, que deu à F1 momentos de ouro. Um piloto que andou sempre no limite numa altura em que cada erro se pagava caro… por vezes muito caro. É recordado pelo seu enorme talento, mas também pela sua postura afável e leal.

 

Jacques Laffite disse em Jarama (1981) uma frase que pode resumir o que foi Villeneuve na F1: “Nenhum ser humano consegue fazer milagres mas o Gilles nos faz desconfiar disso.” Alain Prost afirmou que o canadense era o “último grande piloto… nós somos apenas bons profissionais.” Villeneuve ficou na história pelo seu caráter, talento e determinação. Numa era em que vivemos obcecados por estatísticas, é bom recordar um homem cuja capacidade mostrou que nem sempre a frieza dos números conta a história toda.

 

Vejam como foi a batalha de Gilles e Arnoux em Dijon:

 

Algumas imagens de Gilles na Fórmula 1:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *