Balanço do GP da Alemanha

Propulsionada pela Renault, a escuderia Infiniti Red Bull Racing levou dois monopostos a quarta e sexta fileiras, após uma corrida emocionante em Hockenheim. Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo brigaram com os carros da Ferrari e a Mercedes de Lewis Hamilton durante todo o Grande Prêmio, para finalmente terminar entre os seis melhores e abocanhar 20 pontos preciosos, fazendo com que a equipe consolide o segundo lugar no campeonato de Construtores.

 

 

MOMENTOS MARCANTES DA CORRIDA:

  • Sebastian Vettel ficou em quarto lugar. O atual campeão do mundo galgou duas fileiras na largada, antes de defender com bravura sua posição, enfrentando Fernando Alonso e computando 12 pontos importantes.
  • Daniel Ricciardo terminou em sexto depois de uma espetacular recuperação. O australiano havia largado em quinto lugar no grid, mas caiu para a 15ª fileira após ter sido obrigado a escapar do acidente envolvendo Felipe Massa e Kevin Magnussen na primeira curva. Tendo recuperado sua classificação após ter ultrapassado principalmente Räikkönen e Magnussen, Ricciardo enfrentou uma batalha acirrada com Lewis Hamilton e Fernando Alonso, com quem ele lutou até cruzar a bandeira quadriculada.
  • Os dois pilotos da Equipe Caterham F1 se encontraram na chegada, com Kamui Kobayashi chegando em 16º, enquanto que Marcus Ericsson terminou em 18º. O sueco teve que largar a partir da reta dos boxes depois que a equipe infringiu o regime de Parque Fechado no sábado.
  • Jean-Eric Vergne conquistou o 13º lugar para a Escuderia Toro Rosso, enquanto que seu companheiro de equipe Daniil Kvyat teve que abandonar. O russo estava entre os dez primeiros quando um contato com Perez levou seu carro a rodar na nona volta. Tendo passado no box para trocar de pneus, o piloto de 20 anos acabou ficando preso no pelotão. Na 45ª volta, um problema de ignição ocorrido em seu grupo motopropulsor levou a uma ignificação do combustível que não havia sido consumido no nível do escapamento. Com seu monoposto em chamas, Kvyat teve que abandonar imediatamente.
  • Pastor Maldonado cruzou a linha da chegada na 12ª posição para a Equipe Lotus de F1. Após ter ficado entre os 12 melhores, Romain Grosjean abandonou na 27ª volta devido a um problema de arrefecimento.

 

RÉMI TAFFIN, DIRETOR DAS ATIVIDADES DE PISTA DA RENAULT SPORT F1:

“Tivemos uma corrida fascinante com disputas em todos os momentos desde a largada. É claro que terminar em quarto não é o tipo de resultado que queremos para nossas equipes, mas é sempre positivo ver os carros da Red Bull apresentarem a leveza e motricidade necessárias para rivalizar e ganhar posições na pista. Os novos softwares utilizados na Alemanha se mostraram preciosos neste sentido e pretendemos utilizá-los ainda mais na Hungria, onde a interação com o novo combustível da Total terá sido perfeitamente otimizada.

Também vamos trabalhar a confiabilidade durante o pouco tempo que nos separa do Grande Prêmio da Hungria, pois não tivemos um fim de semana infalível neste sentido na Alemanha. Tivemos problemas relativamente pequenos, mas alguns tiveram consequências importantes. Entretanto, calculamos que nada seja irreparável, e vamos trabalhar para que todos os problemas sejam eliminados antes da parada de verão.

Todas as nossas atenções estão voltadas para a Hungria. Na pista do Hungaroring, a leveza nas curvas lentas e o controle do torque são mais importantes que a velocidade máxima. Estas características beneficiarão muito mais o motor Renault Energy F1-2014. Por isso, podemos ambicionar muito mais do que o 3º e 4º lugares aos quais nos habituamos nos últimos GPs”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *