Avaliação da Semana – Andamos com o mais novo SUV médio da Toyota, o Corolla Cross; conforto, segurança e prazer ao dirigir.

Caros amigos da Veloxtv, nesta semana apresentaremos os nossos testes e avaliações com o mais novo SUV médio da Toyota; o Corolla Cross. Andamos com a versão XRE 2.0 flex por sete dias com preço fixado nas concessionárias de R$157.000,00.

 

Após um período sem testarmos os veículos da montadora japonesa nada melhor que retornarmos com nossos testes e avaliações com um veículo que chegou ao mercado nacional com desejos arrojados de conquistas e manter as vitórias do sedã Corolla agora no segmento de SUVs médios.

 

O Toyota Corolla Cross veio para ficar!!!

O Corolla Cross XRE chama atenção por uma certa simplicidade, com o nome compartilhado deu a ele licença poética para roubar parte do interior do sedã, além de uma parcela da composição do carro; fato este que se  tivesse entrado de olhos fechados e não reparasse na diferença da carroceria na parte traseira e outros detalhes no acabamento, poderia dizer que tinha entrado no sedã.

 

Na versão que andamos não traz o pacote de tecnologia de assistência à condução denominado Toyota Safety Sense. Ele equipa apenas as duas versões híbridas (XRV e XRX), e compreende frenagem automática para pedestres, ciclistas e automóveis, controlador de velocidade automático adaptativo (ACC), sistema de alerta e correção de volante em caso de saída involuntária de faixa de rodagem e auxiliar de farol alto. Em breve faremos o teste com a versão híbrida.

 

Ao abrir o capô é possível ver algumas braçadeiras que sustentam o para-lama mais alto, sem alterar a estrutura original do sedã. Em um mundo cheio de SUVs, é interessante ver algo mais tradicional. A posição de dirigir é mais baixa, como no sedã, e a própria altura do solo da carroceria não é tão alta (161 mm), colaborando com essa sensação. Mesmo assim, é mais confortável que o Corolla pelo maior curso da suspensão e pneus mais altos (225/50 R18), e mais tranquilo para o uso urbano.

O Corolla Cross não tem aquela posição de dirigir tão alta de SUV, ele está mais para um sedã com suspensão levemente mais alta. Sem olhar para o retrovisor, você pode jurar que está dirigindo o modelo original da Toyota.

 

Entre os principais itens de série da versão XRE estão faróis de LEDs, sete airbags (frontais, laterais, de cortina e de joelhos para o motorista, desde o modelo de entrada), rodas de liga leve aro 18″ com acabamento diamantado, chave presencial, botão de partida, sensores de luminosidade e chuva e central multimídia com tela de 8″. Uma curiosidade é que apenas a XRE vem com borboletas no volante para troca de marchas manuais, item ausente nas versões híbridas e na básica.

 

Interior

Constatamos uma cabine bem montada, com interior preto os materiais não são muito nobres, mas há algumas superfícies emborrachadas e couro sintético. O ajuste do volante é muito boa, mas o de altura do banco é amplo, permitindo achar uma boa posição de dirigir (e os bancos têm formato confortável).

 

O couro usado no volante e nos bancos transmite qualidade e é o mesmo usado no sedã. O Corolla Cross é confortável e deixa os passageiros bem servidos por bancos com espuma de firmeza suficiente para não cansar em viagens longas, mas macias o suficiente para permitir um descanso.

 

No banco traseiro, o espaço é bom, são 2,64 m de entre-eixos. O encosto do banco traseiro é reclinável e surpreende por ser confortável mesmo na opção mais “em pé”. No porta-malas, a capacidade é de 440 litros.

 

O sistema multimídia é sempre igual: tem tela sensível ao toque, respostas rápidas e práticos atalhos “físicos”. Ainda mostra informações como gráfico de consumo e, nos híbridos, status e atuação de todo o sistema. Sua “home” configurável é dividida em três setores, e as conexões com Android Auto e Apple CarPlay ainda são via cabo. Possui retrovisores com rebatimento elétrico e ar-condicionado automático – sempre com saídas para o banco traseiro e de duas zonas na topo de linha. Os faróis são full-LED, exceto na versão mais barata.

 

Basta colocar o câmbio em D e acelerar que o sistema eletromecânico desarma os freios automaticamente, certo? Errado. O Corolla Cross adota um prosaico freio de estacionamento de pé, como em veículos utilitários do passado (Toyota Hillux).

 

O porta-malas de 440 litros é menos que o do sedã, que carrega 30 litros a mais. Além disso, passou por mais algumas simplificações. Tem plástico forrando a lateral do bagageiro e de qualidade. Além disso, o tampão retrátil tem material fino.

 

Exterior

A frente se caracteriza pela ampla grade, toda preta na versão XRE. Os faróis são estreitos e se estendem para as laterais. De lado e de traseira não há grandes atrativos visuais.

 

Os faróis afilados e com máscara negra ajudam a dar um olhar maldoso ao SUV, o que compõe bem com a grade frontal de proporções generosas. Ela se funde ao falso quebra-mato do para-choque, que é pintado em preto. Arcos de roda levemente retangulares e para-lamas abaulados deixam o SUV musculoso.

 

A traseira parece mais antiga dos carros da montadora japonesa. A direção elétrica responde bem aos comandos, e há dois modos de condução: normal e power. No modo normal, caso o motorista pise sem excessos no acelerador, a palavra “eco” fica acesa no painel.ue o restante do carro. Lanternas ovaladas não estão tão em voga hoje em dia, mas formam um conjunto harmonioso.

 

Mas o fato é que tradicionalmente o comprador de Toyota não está em busca de nenhuma extravagância em termos de estilo, trata-se de um tipo de cliente que quer pisar em terrenos conhecidos, e nisso o Corolla Cross funciona perfeitamente.

A pegada do SUV é mais do conforto. Por isso, não contorna curvas tão bem quanto seu irmão. Um pouco é culpa da suspensão mais alta, outra por conta da suspensão traseira, que não é multilink como no Corolla original.

 

Motor

 

O motor 2.0 Dynamic Force quatro cilindros aspirado de 177 cv e 21,4 kgfm de torque continua a dar conta do recado. Ele é pareado à transmissão automática do tipo CVT com dez marchas simuladas, sendo a primeira física. O conjunto é mais que suficiente para o SUV, mas cobra no consumo, que fica na casa dos 11 km/l com etanol.

O Toyota Corolla Cross tenha boas retomadas e força suficiente para andar bem mesmo carregado ou cheio de gente. Por ser elástico e trabalhar bem com a transmissão automática, o SUV não parece precisar de um turbo

Nossa avaliação

O Corolla Cross é um excelente SUV, mas não terá uma vida nada fácil em nosso mercado. Os compradores já sabem o que esperar dele e tem toda confiabilidade que a marca dispõe em seus anos de estrada.

 

Ele é a escolha certeira para quem sempre gostou do Corolla, mas se cansou do sedã ou quer aderir à moda dos SUVs; certamente será um um protagonista na categoria de SUVs médios.

 

A nossa avaliação final é direcionada aos possíveis compradores do Corolla Cross e aos aficionados pela montadora japonesa e que estão à procura de um SUV médio e a um valor que cabe no seu bolso; além do mais tem um apelo importantíssimo nesta indicação; o PÓS VENDA DA TOYOTA.

 

One thought on “Avaliação da Semana – Andamos com o mais novo SUV médio da Toyota, o Corolla Cross; conforto, segurança e prazer ao dirigir.

  • 21 de setembro de 2021 em 13:41
    Permalink

    Esse carro e maravilhoso!!!!
    Ai Ai jesus!!! eu quero….um pra chamar de meu!!!#toyotacross#lindodemais#euquero#carrolindo.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *