A Aston Martin recrutou vários elementos com experiência na Fórmula 1, o que volta a lançar o tema da possível entrada da marca como fornecedora de motores em 2021. A marca inglesa vai passar a constar no nome da Red Bull em 2018 e fala-se que em 2021 pode passar a fornecer motores à equipe da marca de bebidas energéticas, mas Andy Palmer, CEO da Aston Martin, diz que os custos precisam de ser controlados para que isso seja viável:

“Estou certo de que temos capacidade técnica. Algumas das pessoas que contratamos vieram da Ferrari, o que me diz que temos capacidade para desenvolver um motor de F1. A questão no que aos custos para desenvolver um motor diz respeito, existe uma grande diferença entre empresas pequenas como a nossa e as grandes, como a Renault ou a Mercedes. Tenho agora uma boa capacidade técnica, mas…”, disse Palmer.