Fórmula 1 – A história da Ligier, um ícone “francês” nas pistas.

Quando, em 1968, profundamente afetado pela morte do seu amigo e sócio, Jo Schlesser, Guy Ligier decidiu parar de correr, ficou ao longo de vários meses sem nada que fazer; apenas pensando na vida.

E se bem pensou, melhor o fez: de repente, decidiu outra coisa – seguir em frente. Para isso, juntou forças com o engenheiro Michel Tétu e fundou a Ligier Automobiles, com a função de fazer carros esportivos de estrada. Uma condição, que continua ainda hoje: para perpetuar a memória do amigo, Ligier decidiu incluir na nomenclatura de cada modelo as letras JS – Jo Schlesser.

Ligier nas 24 Horas de Le Mans: Uma breve passagem quase vencedora

Guy Ligier abandonou a competição, como piloto, depois do seu amigo Jo Schlesser (18/05/1928 – 07/07/1968) ter perdido a vida, durante o GP de França de 1968. Contudo, nem por isso quis deixar os automóveis e, assim, decidiu tornar-se construtor a tempo inteiro.

Convenceu o engenheiro Michel Tétu a desenvolver um carro de ‘sport’, a que deu a designação JS1 – sendo que o JS foi uma homenagem a Jo Schlesser, que iria perdurar para sempre na nomenclatura de todos os seus carros, F1 incluídos. Equipado com um motor Ford Cosworth, venceu em Albi e Monthléry, em 1970. Em estreia nas 24 Horas de Le Mans, através da sua equipe, ainda chamada Écurie Intersports SA e partilhando a condução com Jean-Claude Andruet, o JS1 acabou por abandonar ainda durante o sábado.

Ligier desenvolveu o JS1, durante o defeso, tornando-o no JS2 – em um carro de estrada, que equipou com um motor Maserati V6 – e no JS3, um carro de ‘sport’ de ‘cockpit’ aberto e equipado com um motor Ford Cosworth DFV V8, semelhante aos de F1. O francês inscreveu este carro em Monthléry, vencendo a prova novamente, mas voltou a falhar nas 24 Horas de Le Mans – o JS3, agora inscrito pela Automobiles Ligier e com o próprio Ligier de novo ao volante, acompanhado por Patrick Depailler, teve vários problemas ao longo da corrida, não conseguindo fazer o número mínimo de quilômetros para se classificar.

Em 1972, a Automobiles Ligier deixou ‘cair’ o JS3 e participou com dois JS2, com o motor Maserati V6 e reconvertidos em carros de competição – o nº 21, entregue a Ligier/Jean-François Piot e o nº 22, dividido por Pierre Maublanc e Jacques Laffite. Nenhum deles chegou ao final, tendo mesmo Ligier desistido logo no início da prova. A mesma sorte ficou reservada ao J2/Maserati inscrito por Claude Laurent, que o pilotou, em conjunto com Martial Delalande e Jacques Marché – foi a primeira vez que um ‘privado’ utilizou um Ligier em Le Mans.

Curiosamente, foi precisamente Laurent o primeiro a levar bum Ligier até à meta em Le Mans quando, no ano seguinte, o mesmo JS2, com os mesmos pilotos mas agora com um motor Maserati 2.9 V6, acabou a corrida em 19º e antepenúltimo lugar. Os dois JS2 oficiais, com Ligier/Laffite e Jean-Pierre Paoli/Alain Couderc, voltaram a ficar cedo pelo caminho…

Em 1974, as coisas melhoraram um pouco, quando o JS2 oficial, pilotado por Laffite e Alain Serpaggi, se classificaram em 8º lugar. Já sem Ligier ao volante, o outro JS2 (Guy Chasseuil/Michele Leclère) desistiu durante a noite.

Finalmente, a sorte mudou e, em 1975, pela primeira vez com o patrocínio total da Gitanes, o JS2/Maserati nº 5, com Jean-Louis Lafosse e Guy Chasseuil ao volante, ficou de repente a lutar pelo triunfo, depois do Gulf-Mirage GR8 de Vern Schuppan/Jean-Pierre Jaussaud, que vinha dominando os acontecimentos desde o início da prova, em conjunto com o outro GR8, de Derek Bell e Jacky ickx, se atrasar com problemas mecânicos, quase com o final à vista. O carro britânico caiu para o terceiro lugar, em que terminou a prova, cinco voltas atrás do Ligier. Que, por sua vez, ficou a menos de uma volta do GR8 vencedor…

Semelhante sorte não teve o segundo JS2, com Henri Pescarolo e François Migault, pois desistiu na manhã de domingo, replicando a o sucedido ao terceiro JS2 oficial (pela primeira vez na história da Ligier em Le Mans) que, pilotado por Jean-Pierre Beltoise e Jean-Pierre Jarier, nem sequer chegou à noite. Este pódio foi o canto do cisne: depois disso, Guy Ligier abandonou as corridas de ‘sport’ e de endurance, dedicando-se por inteiro à F1.

O nome Ligier retornou a Le Mans mais tarde, sendo desde 2014 um dos muitos carros que lutam pela hegemonia na categoria LMP2. O carro é construído pela Onroak Automotive, numa parceria com Guy Ligier, destacando-se por ter sido o primeiro a usar ‘cockpit’ fechado feito nas instalações (próximas de Le Mans) da Onroak. Tem sido maioritariamente inscrito pela OAK Racing, que este ano mudou o nome para G-Drive Racing.

Do JS2 ao Ixo elétrico: ‘Freedom to Move’
Liberdade de movimentos – é este o lema atual da Ligier, enquanto fabricante de automóveis independente. Poucos o saberão, mas a Ligier também faz carros – a exemplo das também francesas Renault e Peugeot. Pois é: só que existe uma (grande) diferença – faz muito menos, tem vendas residuais mas… apesar disso, é perita em microcarros… basicamente com motores elétricos!

Porém, o primeiro carro que a LIgier construiu foi totalmente diferente. E de certa forma vanguardista: o JS2 era, em 1970, um desportivo com motor central, inicialmente um Ford V8 e, a partir de 1971, o mesmo Maserati 3.0 V6 que estava no Citroën SM. O J2 era muito leve e ágil e, além disso, bastante equilibrado – de tal forma que Guy Ligier não hesitou em utilizá-lo nas 24 Horas de Le Mans, em substituição do pouco fiável JS3, um carro que apenas foi visto nas pistas. Em 1973, a crise petrolífera colocou um ponto final na aventura da Ligier enquanto construtor de carros de estrada.

Em alternativa, a Ligier voltou-se para a produção de microcarros, o mais emblemático dos quais foi o JS6, uma espécie de ‘cabine telefônica’ quadrada, com ângulos retos e esquinados e uma superfície vidrada a condizer, que saiu em 1984 e se tornou um ícone da marca azul e branca.

Nos anos 90, indo a favor da corrente… elétrica, a Ligier deu mais uma volta de 180º, desta feita rumo à mobilidade elétrica, de que foi uma das pioneiras europeias. Ao mesmo tempo, ajudou a criar a moda dos ‘sem carta’, pequenos veículos utilitários, de um ou dois lugares, que podem ser conduzidos por jovens ou pessoas sem carta de condução. Para isso, a Ligier adquiriu uma divisão do Beneteau Group, a Microcar, em 2008 que, a partir daí, encheu as estradas europeias com um sem número de propostas de veículos ‘sem carta’, embora as duas marcas tenham decidido manter as respetivas identidades. Na verdade, foi tudo uma questão de ‘know how’ adquirido…

Hoje em dia, a Ligier é um dos mais prolíficos fabricantes de microcarros de dois lugares, com ou sem capota, com, motor diesel de dois cilindros e 0,5 litro de cilindrada, ou motores elétricos, como os Ixo ou os Ambra.

Nome: Equipe Ligier [nome completo oficial: Equipe Ligier Automobiles, não usado na F1]
Fundador: Guy Ligier
Sede: Vichy (1976-1988) e Magny-Cours (1989-1996)
F1: 25/01/1976-13/10/1996
1º GP F1: GP Brasil 1976
Último GP F1: GP Japão 1996
GP F1 disputados: 326
Vitórias: 9
1ª vitória: GP Suécia 1977 (Jacques Laffite)
Última vitória: GP Mónaco 1996 (Olivier Panis)
Pódios: 50
‘Pole positions’: 9
Melhores voltas: 9
Pontos: 388
Melhor resultado no CM F1: 2º 1980 (66 pontos)
Motores: Matra (1976-78/1981-82); Ford-Cosworth (1979-80/1983/1989-90); Renault (1984-86/1992-94); Megatron (1987); Judd (1988); Lamborghini (1991); Mugen-Honda (1995-96)

Galeria de Imagens dos Ligier F1:

Jacques Laffite (FRA) Ligier JS27, 7th place.
Canadian Grand Prix, Montreal, 15 June 1986

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *