FIA WEC – A nova vida de Wolfgang Ullrich.

Quem segue o automobilismo e especialmente o WEC, dificilmente não terá visto, ou ouvido falar de Wolfgang Ullrich. Para quem porventura não o conhece, basta dizer que é responsável por ter criado uma máquina de competição demolidora na Audi, que levou tudo à frente em Le Mans e que reforçou o nome Audi Sport como um dos mais respeitáveis do automobilismo mundial.

 

A vontade de Ullrich sempre foi se ligar à competição e esse desejo levou-o até à Porsche para trabalhar no motor TAG. O fim do projeto fez com que trabalhasse nos motores de produção,  até que em 1993 recebeu um convite de um ex-colega de curso que lhe propôs assumir o seu lugar no departamento de competição da Audi, lugar que aceitou de imediato. A partir daí a história é conhecida… foi responsável pelos projetos que arrasaram com a concorrência em Le Mans, assim como os projetos RS5 DTM e R8 LMS. Começou a dar nas vistas com os ” Super Touring “,  emuma fase em que a Audi Sport estava em baixo da forma de competição, com dificuldades financeiras, mas o A4 quattro, primeiro carro a sair do departamento sob a sua chefia, provou ser um caso de sucesso nos campeonatos onde esteve inserido.

 

O peso cada vez maior dos lastros nas máquinas de Ingolstadt levou a que se ponderassem outros destinos… um périplo pelo mundos dos protótipos, que teria como destino inevitável Le Mans. O R8 foi um sucesso imediato com um pódio em 99 e vitória no ano seguinte. Seguiu-se uma série absolutamente fantásticas de vitórias (63 vitórias em 79 corridas) até que em 2005 surgiu o R10, primeiro carro a diesel a triunfar em Le Mans. O uso do diesel veio da necessidade e da vontade de mostrar ao mundo a tecnologia TDI da marca e a amostra não foi nada má (36 vitórias em 48 corridas). Seguiu-se o breve reinado do  R15 que deu lugar em 2012 ao R18 e-tron, que se tornaria no primeiro híbrido a vencer a mítica prova de Endurance francesa. A Audi voltava a fazer história, sempre com Ullrich  no leme.

 

O sucesso atingido nos protótipos, serviu de alavanca para o regresso ao DTM, 12 anos depois com o RS5 DTM, inevitavelmente com o sucesso que caracteriza Ullrich. Mas os seus planos não ficaram por aí e a criação  do R8 LMS GT3 direcionado para os privados criou uma base lucrativa e de sucesso inquestionável. Ficava assim completo o terceiro pilar da Audi Sport idealizada por Ullrich.

 

Sob o seu comando a Audi conseguiu 209 vitórias, 13 em Le Mans, 11 em Sebring e 9 em Petit Le Mans. São também 31 títulos para pilotos oficiais da marca. Tudo começou com uma Audi enfraquecida que foi crescendo cada vez mais até chegar a investir perto de 500 milhões no Endurance apenas. O projeto R18 estava inevitavelmente caminhando para o seu fim e a chegada da Porsche precipitou a necessidade de repensar a máquina, que usava uma tecnologia perto do seu limite e já de pouco interesse comercial. Era preciso voltar a investir forte em um novo conceito mas o escândalo das emissões de gases, levou ao fecho de todas as atividades extra-comerciais que não eram rentáveis e o esforço da Audi no WEC deixou de o ser. Era quase um sacrilégio ter sequer a tecnologia diesel nos carros de competição da marca e o surgimento da Formula E foi o escape escolhido para começar a limpar uma imagem muito desgastada. A investir que fosse numa tecnologia que afastasse o mais possível o imaginário das pessoas dos escapes das máquinas germânicas.  A idade do chefe da Audi Sport também não lhe permitia ficar por mais tempo no leme e assim chegou ao fim uma das eras de ouro do automobilismo mundial.

O que define  Wolfgang Ullrich, mais que os números assombrosos, é a sua paixão. A forma como vive cada corrida, como consegue unir toda a equipe em torno do mesmo objetivo, como interage com os pilotos. Era um espetáculo dentro do próprio espetáculo que é o Endurance. E claro que um homem de paixões está sujeito a cometer alguns deslizes, como o último caso no DTM, em que no calor da batalha deu ordem para um piloto seu empurrar um adversário para fora de pista. Mas não é algo que manche sobremaneira uma carreira absolutamente brilhante de alguém que cumpriu o seu sonho e que o viveu com sorrisos, lágrimas e emoção…um homem que além de chefe de uma das estruturas mais fortes do automobilismo era um fã como todos os que seguem as corridas.

O Austríaco de 67 anos irá agora começar um novo capitulo da sua vida. Será conselheiro do ACO e irá colocar toda a sua sabedoria e conhecimento em prol do que mais gosta… o Endurance:

 

“Aceitei este convite por dois motivos. Primeiro porque acho que o Endurance é algo muito especial no automobilismo e estou disposto a dar o meu apoio. Segundo porque irei trabalhar com quem tenho uma excelente relação de há muitos anos nesta parte (Pierre Fillon e Gerard Neveu). Creio que o Endurance é tudo o que o automobilismo tem para dar. As 24 h de Le Mans mas também as corridas de 6 horas que se tornaram em verdadeiras provas sprint. Aqui, a equipe é o elemento chave do sucesso. Se todos fizeram um bom trabalho é certo que serão competitivos em pista e é esta ideia que eu gosto no automobilismo e que me dá vontade de fazer parte dele.”

Numa fase em que o ACO e o WEC atravessam um momento mais delicado, é bom saber que alguém com a paixão e o conhecimento de causa de Wolfgang Ullrich terá um papel importante no desenho dos novos regulamentos para 2020/2021.

 

A Veloxtv transmitirá todas as provas da Temporada 2018/2019 do WEC ao vivo, e principalmente as 24 Horas de Le Mans.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *