A mítica prova francesa de endurance tem além do peso histórico, uma importância tremenda no campeonato mundial de endurance. Com o dobro de pontos atribuídos, Le Mans é um dos pontos cruciais na batalha pelo titulo. Um mau resultado significa estar praticamente fora da luta.

Os homens da Toyota já sofreram isso na pele várias vezes e este ano Buemi, Davidson e Nakajima não conseguiram se sagrar campeões do mundo mesmo tendo conseguido 5 vitórias em 10 provas. O mau desempenho em Le Mans voltou a custar caro.

Para o futuro, os responsáveis pelo campeonato estão pensando em diminuir os pontos atribuídos na prova francesa, passando para 1.50x mais. Isso pretende que um dissabor, ou uma prova menos conseguida, não seja tão penalizadora, dando ainda assim o realce que a prova merece.

Davidson concorda com esta ideia: “sempre me queixei deste fato. Nem é pela atribuição de 50 pontos a quem vence, mas é pelos pontos que se perdem se, por acaso, temos um abandono, algo que é mais provável acontecer nesta prova do que em qualquer outra. Penso que é uma decisão que chega tarde e que poderia ainda ter trazido benefícios este ano.”

Buemi é também da mesma opinião apontando o número de concorrentes como o principal fator penalizador nos pontos em dobro: “Quando existiam 6 carros, não era tão significativo, mas agora com 4 é muito penalizador. Se vencer Le Mans e se limitar a acabar as corridas, mesmo que não tendo um bom ritmo, acaba sempre em 3º, pois a equipe pode dar ordens para os colegas deixarem passar, como a Porsche fez este ano. É muito complicado pois no melhor dos cenários apenas se consegue recuperar 10 pontos por prova.”

Já Pascal Vasselon usa uma postura neutra, mas não se esqueceu de referir que foi em Le Mans que a equipe perdeu os dois últimos campeonatos.

O que parece certo é que existe vontade de mudar um cenário que beneficia em demasia quem vence Le Mans, no campeonato. Dos últimos 5 vencedores do campeonato, 4 venceram a prova francesa. Vencer Le Mans é o sonho de todos os pilotos de endurance, mas dar muito peso é estar esquecendo um pouco a verdade esportiva., num campeonato com 10 rodadas. Com um grid mais composto o problema nem se colocava, mas nos moldes atuais é sensato fazer alterações a esse nível.