Dois novos nomes estão incorporados à galeria de ganhadores da Copa Truck. Os paulistas Danilo Dirani (Scania) e Witold Ramasauskas (VW) dividiram as vitórias na primeira etapa do regional Sul/Sudeste, aberto neste domingo diante de ótimo público no autódromo gaúcho de Tarumã, e agora podem sonhar também com a conquista do título na prova de encerramento marcada para 17 de dezembro em Interlagos. Mas quem saiu comandando a liderança foi Felipe Giaffone (VW), que manteve a excelente forma com um segundo e um terceiro lugares e provou que tem todas as credenciais para repetir a conquista da Copa Nordeste.

Foram duas baterias parecidas. Na primeira, o pole Dirani só não dominou as 18 voltas de ponta a ponta por causa de um erro cometido no meio da prova que o derrubou para a quarta colocação. “Não coloquei água nos freios porque aqui eles não são tão exigidos, mas a verdade é que foram mudando ao longo da corrida. Dei uma escapada, mas felizmente consegui recuperar as posições”, explicou. Dirani, cujo ritmo chegou a ser de até um segundo por volta mais veloz que os demais, não encontrou dificuldades nem para superar Giaffone ao reconquistar a ponta. Giaffone e o estreante Paulo Salustiano (VW) completaram o pódio.

O grid invertido da segunda corrida deu ao oitavo colocado Witold a pole e uma chance de ouro que o piloto de 30 anos, ascendência lituana e um nome quase impronunciável não desperdiçou. Ao mesmo tempo, Dirani e Giaffone dividiram a quarta fila do grid. Witold largou bem e controlou as investidas até ser beneficiado pela longa permanência do carro de segurança na pista depois que Renato Martins perdeu o controle do truck, passou pelas barreiras de proteção e escalou um barranco. Na relargada, Salustiano – que saíra em 6º – chegou a tomar a frente e recebeu a bandeira quadriculada na frente, mas foi punido por queima e Witold pôde festejar dentro do cockpit. Simultaneamente, quando pressionava fortemente Giaffone, Dirani abandonava com um problema mecânico. Acompanharam Witold ao pódio, além de Giaffone, o segundo colocado Roberval Andrade (Iveco), o quarto Adalberto Jardim e a quinta Débora Rodrigues, ambos com VW.

Dirani, que corre com o escudo do Corinthians no truck nº 28 e no macacão, fez questão de enaltecer o trabalho da equipe. “Neste intervalo depois da Copa Nordeste conseguimos desmontar e montar tudo certinho como a gente gosta e preparar tudo para o ano que vem. É um presente para mim e para a equipe. Espero poder logo entrar na relação dos grandes nomes da categoria”, analisou. Com os pontos extras pela melhor volta nas duas provas, Dirani reconheceu que restou uma certa frustração com o saldo do fim de semana. “Estive em primeiro na maioria das vezes em que a pista esteve aberta. Por merecimento, acho que merecíamos a liderança, mas corrida é assim mesmo. Por duas voltas deixei de terminar em quinto ou quarto, talvez terceiro. Mas o importante é absorver tudo o de bom que apresentamos aqui e levar para Interlagos. Para ser sincero, não estou pensando no campeonato. Acho melhor pensar em corrida a corrida. Vou tentar a pole, ganhar, é isso o que vou fazer.”

Witold, de 30 anos e um dos mais jovens pilotos da Copa Truck, disse que estava vivendo o momento mais marcante de sua carreira. “Tinha sido importante ganhar uma prova de GT no ano passado em Daytona, uma pista emblemática dos Estados Unidos, mas aqui, numa categoria onde cresci vendo estes caras andarem, não tem preço”, comparou. Ele reconheceu que nem passava pela cabeça a possibilidade de ganhar em Tarumã. “Esta é uma pista que eu não conhecia, ainda estou me acostumando ao caminhão… Mas a equipe trabalhou demais. Tive um probleminha na classificação e saí em 11º, mas a gente sabia que, se chegasse em 8º na primeira e saísse na frente na segunda, eu abriria as duas portas no final e ninguém me passaria”, brincou. Agora, tem até planos mais ambiciosos. “São Paulo é o quintal de casa. Lá eu conheço a pista. Vamos ver…”, respondeu, quando perguntado sobre a possibilidade de título no fechamento da Copa Sul/Sudeste.

Giaffone concordou que ficou no lucro em Tarumã. “Está de bom tamanho. Poderia ser melhor, o Dirani era o cara a ser batido aqui, mas meu caminhão esteve bom dentro do possível. Ele estava bem mais acertado para cá, teve um probleminha no final. Sair na liderança do campeonato é muito bom, mas temos de trabalhar para a corrida de Interlagos se quisermos mesmo levar mais essa copa”. Sorte de campeão? “Eu diria que foi. Na primeira bateria o Dirani quase me entregou a vitória; na segunda, tive uma sortezinha também, mas é uma pista muito complicada de passar. Ou você passa na largada ou, depois, só numa vacilada do pessoal.”

Os resultados em Tarumã:

1ª bateria

1 – Danilo Dirani (Scania), 18 voltas em 25min05s880

2 – Felipe Giaffone (VW), a 1s263

3 – Paulo Salustiano (VW), a 9s351

4 – Roberval Andrade (Iveco), a 28s993

5 – Beto Monteiro (Iveco), a 36s174

6 – Débora Rodrigues (VW), a39s753

7 – Renato Martins (VW), a 40s500

8 – Witold Ramasauskas (VW), a 40s902

9 – Adalberto Jardim (VW), a 41s022

10 – Jaidson Zini (Scania), a 46s320

11 – Luiz Lopes (Iveco), a 51s839

12 – Ronaldo Kastropil (Mercedes), a 51s922

13 – Regis Boessio (Volvo), a cinco voltas

Melhor volta: Danilo Dirani, em 1min21s625 (134,032 km/h)

2ª bateria

1 – Witold Ramasauskas (VW), 13 voltas em 25min55s443

2 – Roberval Andrade (Iveco), a 0s911

3 – Felipe Giaffone (VW), a 1s268

4 – Adalberto Jardim (VW), a 1s735

5 – Débora Rodrigues (VW), a 2s547

6 – Ronaldo Kastropil (Mercedes), a 7s642

7 – Luiz Lopes (Iveco), a 10s596

8 – Djalma Fogaça (Ford), a 12s239

9 – Fábio Fogaça (Ford), a 19s654

10 – Danilo Dirani (Scania), a duas voltas

11 – Jaidson Zini (Scania), a quatro voltas

Melhor volta: Danilo Dirani, em 1min23s071 (131,699 km/h)

A classificação da Copa Sul/Sudeste:

1 – Felipe Giaffone, 52 pontos

2 – Roberval Andrade, 40

3 – Danilo Dirani, 39

4 – Witold Ramasauskas, 37

5 – Débora Rodrigues, 31

6 – Adalberto Jardim, 30

7 – Luiz Lopes e Ronaldo Kastropil, 24

9 – Jaidson Zini, 21

10 – Paulo Salustiano, 20

11 – Beto Monteiro, 16

12 – Renato Martins, 14

13 – Djalma Fogaça, 13

14 – Fábio Fogaça, 12

15 – Regis Boessio, 8