Alpine coloca seu legado à prova na Lendária competição “Le Mans Classic”.

Materializado pela comercialização de sua Berlinette do século XXI a partir de 2016, o renascimento da Alpine se apoia no fantástico legado de uma famosa marca. Para fazer esta relação entre o passado e o presente, veículos Alpine estarão nas pistas da sétima edição do Le Mans Classic, entre 4 e 6 de julho de 2014.

A cada dois anos, a corrida Le Mans Classic reúne milhares de participantes em torno de uma paixão em comum: o automóvel. Criado em 2002, o evento apresenta uma extraordinária retrospectiva das 24 Horas de Le Mans em torno de 450 carros, distribuídos em plataformas que vão de 1923 a 1979. Os pontos altos do evento realizado na capital da região francesa de Sarthe são o concurso Le Mans Heritage Club e o encontro de centenas de associados de clubes do automóvel.

 

Nesta edição de 2014, a Renault Classic participa com três Alpine oficiais, pilotadas por profissionais de renome, que já participaram das 24 Horas de Le Mans com a marca, ou personalidades do universo automobilístico.

  • Alpine M65: Piotr Frankowski (Polônia) / Richard Meaden (Grã-Bretanha)
  • Alpine-Renault A110 1300S: Jean-Pierre Prévost (França) / Christian Chambord (França)
  • Renault-Alpine A443: Jean Ragnotti (França) / Alain Serpaggi (França)

Estes três Alpine serão acompanhados de outros modelos inscritos, graças ao concurso de iniciativas privadas.

A primeiríssima aparição dos automóveis criados por Jean Rédélé no Circuito das 24 Horas de Le Mans remonta a 1963. Naquele ano, três Alpine M63 participaram da prova. Foi o início de uma grande aventura em três atos.

De 1963 a 1969, os “pequenos” Alpine tinham como objetivo a vitória em sua categoria, com índices energéticos e de performance, durante o chamado “Período Azul”.

A partir de 1973, quando a marca foi comprada pela Renault, novas ambições permitiram que a Alpine visasse à vitória na classificação geral. A partir de 1976, o primeiro Renault-Alpine do “Período Amarelo” conquistou a pole position e a melhor volta da corrida. Dois anos mais tarde, a conquista se completou, com uma vitória histórica nas 24 Horas de Le Mans, em 1978.

35 anos depois, a Alpine voltou ao circuito de Le Mans, em 2013. Assim como no início, o Alpine A450 exibia uma esplêndida roupagem azul e ambições contidas na categoria LM P2. Após um ano de aprendizado, a equipe terminou em sétimo lugar na categoria scratch e no pódio de sua categoria em 2014!
Plataforma 4 (carros dos anos 1962 a 1965): Alpine M65

  • Pela terceira vez consecutiva, este Alpine M65 que pertence à Renault Classic participará da prova Le Mans Classic.
  • Este é um dos dois Alpine M65 que participaram das 24 Horas de Le Mans em 1965. O modelo foi pilotado por Mauro Bianchi / Henri Grandsire (abandono na 32e volta).
  • O mesmo chassi, transformado em Alpine A210, participou ainda da edição de 1966 com Pauli Toivonen / Bengt Jansson (abandono na 217e volta).
  • Para esta edição de 2014 do Le Mans Classic, este Alpine histórico estará nas mãos de dois jornalistas, o polonês Piotr Frankowski e o britânico Richard Meaden.
  • Um segundo Alpine ainda faz parte desta plataforma 4: o Alpine A210, que havia conquistado o Índice Energético em 1966, com Jacques Cheinisse e Roger De Lageneste.

 

Plataforma 5 (carros dos anos 1966 a 1971): Alpine-Renault A110 1300S

  • Além dos protótipos da marca Alpine que participaram regularmente das 24 Horas de Le Mans, equipes privadas também participaram da prova ao volante dos modelos emblemáticos da marca da cidade de Dieppe, na região francesa da Normandia. A Berlinette Alpine A110 foi evidentemente uma das estrelas da segunda metade dos anos 1960.
  • A Berlinette A110 1300S (motor de 115 cavalos) que participa do Le Mans Classic pertence a Jean-Pierre Prévost, colecionador de carros esportivos Renault e Alpine, que também já participou do Le Mans Classic com a marca Alpine. Junto com ele estará Christian Chambord, outro apaixonado por automóveis e proprietário de vários Alpine A110.
  • Várias Berlinette A110 participaram do Le Mans em 1964 (um 1100) e 1968 (dois 1300).
  • Nesta mesma plataforma 5, um Alpine A220 de 1969, pertencente e pilotado por Sylvain Stepak também será visto na pista.

 

Plataforma 6 (carros dos anos 1972 a 1979): Renault-Alpine A443

  • O mais bem-sucedido Renault Alpine retorna ao Circuito das 24 Horas de Le Mans. Evolução dos Renault Alpine A422 e A442B, foi o último modelo do Período Amarelo.
  • Classificados na primeira fileira em 1978, Jean-Pierre Jabouille e Patrick Depailler lideraram a prova a partir da sétima hora, após terem resolvido problemas de vibrações. Em presença de 180.000 expectadores, o Renault Alpine mais potente (motor V6 Turbo de 2,2 litros que entrega 530 cavalos), consolidou a diferença até a 18ª hora.
  • Ao final dos dois primeiros terços da corrida, o Renault Alpine A443 estava à frente do Renault Alpine A442B. Os carros da Porsche estavam várias voltas atrás. A equipe decidiu diminuir a pressão de superalimentação do turbo do carro que estava na liderança. A 09h21min, o Renault-Alpine A443 deixava os boxes. Ao volante, Patrick Depailler recebia a orientação de manter sua posição. 32 minutos mais tarde, ele estava com seu carro imobilizado na curva Mulsanne, com o motor travado. O Renault-Alpine A443 perdia a liderança da prova e a vitória para o Renault Alpine A442B de Didier Pironi e Jean-Pierre Jaussaud.
  • Para esta sétima edição do Le Mans Classic, este Renault Alpine A443 estará nas mãos de Jean Ragnotti e Alain Serpaggi, dois antigos pilotos da Alpine nas 24 Horas de Le Mans.

 

O prestigiado Concurso Le Mans Heritage Club também será uma oportunidade para ver de perto um Alpine Renault A310 V6 que participou a título privado da edição de 1977 das 24 Horas de Le Mans. Apelidado de “Peixe de Dieppe” ele dará uma volta de honra junto com outros 23 veículos mantidos em sua configuração de origem, que marcaram a prova desde 1923

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *